Seguidores

quarta-feira, 15 de agosto de 2012




A n t e s . . .


Antes da calmaria dos oito
havia um gélido silêncio
ele irrompeu a inocência surda
no derradeiro instante do grito


Antes aqueles olhos vazios
eram cobertos por véus leitosos
e o corpo agora descoberto
era encoberto por mortalhas de seda


 Antes eram pequenos candelabros
irradiando luz negra...
e um fosso sem fim...
um adormecimento quase eterno


Antes eram sete horas
já são oito para as oito do dia oito
e o relógio gira em sentido oposto
quem diria...
retornamos ao ponto de partida


Antes era somente mistério e perigo
agora é o risco do sono mortal
não, não queremos dormir
ainda não...
já são oito horas da manhã
nascente que chamamos de oito
duas vezes oito,marca invisível
almas que se perdem no significado
sol laranja do infinito oito,
não há trechos de chegada
somente a dura e excitante caminhada

Antes haviam sopros
palavras imateriais
agora existem casulos
pendurados nas nuvens
esperando a transformação
inevitável... as vestes serão trocadas
o contorno transparente do tempo
divide as linhas da mão...
do maldito para o sagrado

Antes era apenas uma data qualquer
há um turbilhão de contrastes
há desejos fecundados
e a súplica dos oito segundos
para que minutos e horas...
não se acabem mais
porque o que se escreve no livro da vida
não dá mais para apagar...



Publicado no site: O Melhor da Web em 08/08/2012

6 comentários:

  1. Simplesmente sublime. Suaviza a alma e nutri o espírito.
    Abraço fraterno.

    ResponderExcluir
  2. Hola, a pesar de los problemas del traductor, me ha parecido un bonito poema. ¡Enhorabuena!.
    Un saludo.

    ResponderExcluir
  3. O que escrevemos no LIVRO DA VIDA nos serve de crescimento para VIDAS FUTURAS... LIndo!! Também não quero dormir r deixar a VIDA passar de olhos fechados...
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Este pensador, viajeiro entre Sois
    Esta Ave pousada em mil embarcações
    Esbarco que passa sem vela ou remo
    Esta arca repleta de vibrantes emoções

    Esta mestiça flor de açafrão
    Este ramo de espinhos cravados na mão
    Esta alma que não ousa largar opinião
    Este homem vestido de solidão

    Boa semana

    Doce beijo

    ResponderExcluir
  5. Gostei muito do que vi !
    Muito difícil encontrar na "blogosfera" espaços bacanas como este.

    DEixo aqui meu blog, caso queira dar uma passada, seguir...;

    http://www.bolgdoano.blogspot.com.br/

    Muito Obrigada, desde já :)
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  6. Como sempre excelente poesia.

    Venho desejar-lhe e a sua Família
    um FELIZ NATAL.
    Bj

    ResponderExcluir