Seguidores

quarta-feira, 2 de março de 2016

Um velho farol

 Passam os dias e as semanas escorrem entre meus dedos, só vejo os pássaros e os peixes, o sol, a lua, o vento e a chuva.

Entra ano e sai ano e eu aqui no farol, resistindo ao tempo e a solidão.

Isolamento e introspecção, meu monólogo no farol não tem fim.

Ao entardecer, com o passar dos minutos o sol vai se escondendo e a paisagem fica bucólica. Ao anoitecer o farol é acesso, a forte luz que sai dele orienta alguns navegantes que por aqui cruzam.

A monotonia toma conta do ambiente, visitas aqui são raras, principalmente no fim do outono e chegada do inverno...amanhece...escurece....amanhece...

Há dias, principalmente os nublados e ventosos que ouço vozes, o mar cinza esverdeado mostra-se agitado, então consigo ver muitas sombras nas paredes do velho farol, quantos rostos e pinturas ainda inacabados.

Durante o dia, mesmo com o frio e as brumas, caminho muito, mas o segredo para não cansar é observar a natureza, cantar, pensar, escrever e desenhar, converso com a fauna, a flora e com o farol que um dia me acolheu e me acolhe.

Sobriedade e quietude são imagens do inverno daqui, me acostumei com essa atmosfera de solidão que se desfaz em calma e muita paz.

No verão alguns estrangeiros aportam por aqui, porém permanecem por pouco tempo, pois talvez não suportem a solidão e as vozes das marés à noite, aqui eles não tem muito o que fazer, a não ser observar e compreender a natureza e a si mesmos...

Quando vem a tempestade, o mar assusta e algumas embarcações se perdem e encostam aqui, apenas para tomar um fôlego e logo estão de partida...

O farol não é um porto de embarque e desembarque, mas atrai navegadores e impõe respeito aos que não estão acostumados com a sua altivez, com a bravura do oceano e as vozes da natureza.

Aprendi a meditar lendo e relendo o lento caminhar das tartarugas ou compreendendo o ágil voo das aves daqui, são minhas companhias do dia.

De todos esses anos que estou aqui, posso afirmar que APRENDI A FALAR A LINGUAGEM DOS PÁSSAROS E A SENTIR A REBELDIA DAS ONDAS DO OCEANO.

É quase impossível imaginar, porém, quando cheguei aqui, tinham pessoas me esperando para que eu ocupasse seus lugares e eles pudessem seguir, e outras que vieram ficaram pouco tempo comigo aqui no farol, foram em outros tempos..se se foram, pelo menos tentaram ...

Desde menina conheço o farol, quando no verão às vezes vínhamos de longe eu, meus pais e meus irmãos para uma pequena temporada, e os ventos do destino sopraram e me trouxeram para cá novamente, dessa vez para ficar e entender o farol e tudo que o cerca, então soube ( sempre soube) que eu pertenço a esse lugar e que ele me pertence, e que aqui tem tudo o que eu preciso...Não é comodidade e sim paz de espírito, aqui eu me encontrei .


 

Velho farol


Tua luz é projetada ao longe

Amortecendo a escuridão

Tua escuridão

Minha escuridão

A escuridão do mundo

O mar furioso

Acoita as tuas paredes

Em noites de tempestade

Ouço teus gritos

Entre fluxos e refluxos

Das ondas prateadas

Quantos naufrágios

Presenciamos

E quantas embarcações

Orientamos a direção

Não tememos o mar

Sabemos que não existe solidão

Que o silêncio tem voz

Aliás muitas vozes...

Ilumina distâncias

Sem temer o desconhecido


Seria o farol um alquimista?

Aprendi com ele a criar luz

E propagá-la ao longe

Arrebatando as trevas

Resgatando corações

Já sem esperanças do viver

Sou luz que navega pelas ondas

Invade as furnas e montes

Pequenos raios viajam

Aquecendo e soprando vida

Surpreendendo sombras esquecidas

Salvando almas...

Foi o farol quem me ensinou...   


Taís Mariano

 

2 comentários: